Em busca de sentido

“O sentido torna muitas coisas, talvez tudo, suportável.” Carl G. Jung

O sentido nos conecta à realidade, nos faz viver apesar do sofrimento, dá coerência ao que somos

diante da coletividade, leva luz às trevas e é alimento da alma.

As raízes psicológicas da homofobia

 (Este texto é uma tradução de partes do capítulo "Homophobia and Analytical Psychology", de Robert H. Hopcke, oriundo do livro Same-Sex Love and the Path to Wholeness, editado por Hopcke.)

A HOMOFOBIA COMO CONCEITO PSICOLÓGICO


     Independentemente de o próprio George Weinberg ter cunhado o termo homofobia, seu livro histórico, Society and the Healthy Homosexual1 (1972), pode ser creditado pelo lançamento do termo para o discurso psicológico. Este trabalho, que em muitos aspectos representa a culminação de décadas de pesquisas mais objetivas sobre a vida e o ajuste psicológico dos homossexuais nos Estados Unidos, declara o ponto principal e a atitude de Weinberg de maneira mais sucinta em seu título: ou seja, que o “problema” com a homossexualidade, na cultura ocidental moderna e na teoria psicológica, não se deve a nada inerentemente prejudicial em relação à homossexualidade, uma vez que pesquisas menos tendenciosas sobre a vida real dos gays revelam a possibilidade de homossexuais saudáveis. “Em vez disso, existe um conjunto de  preconceitos de natureza social, política, religiosa e psicológica que define a homossexualidade, a priori, como problemática. Para Gordon Allport preconceito é uma atitude aversiva ou hostil em relação a uma pessoa que pertence a um grupo, simplesmente porque ela pertence a esse grupo e, portanto, supõe-se que as qualidades censuráveis sejam atribuídas ao grupo”. Empregando a definição de Allport, Weinberg vê o preconceito da sociedade contra a homossexualidade, e não a própria homossexualidade, como o problema real. Ele usa a palavra homofobia para descrever essa atitude preconceituosa. Ao definir esta atitude como uma fobia e explorar as causas sociais e psicológicas desse medo, Weinberg intencionalmente empregou o mesmo tipo de jargão psicológico que tantas vezes é usado para patologizar a homossexualidade. Ao fazê-lo, ele inverteu a participação da psiquiatria em relação à opressão social e política de gays e lésbicas.

     A descrição de Weinberg da homofobia e seus vários elementos serviu por vinte anos como base para qualquer discussão sobre esse fenômeno. Como outras fobias, a homofobia geralmente consiste em um medo intenso e uma aversão que leva a uma infeliz mutilação da vida social e emocional:

     Há um certo custo em sofrer de qualquer fobia. A rejeição se espalha para todo um círculo de atos relacionados à atividade temida, concreta ou simbolicamente. Nesse caso, os atos imaginados como propensos aos sentimentos homossexuais, ou que lembram atos homossexuais, são evitados. Por exemplo, um grande número de homens se abstêm de se abraçar ou de se beijar… Em geral, os homens não expressam afeição um pelo outro ou anseiam pela companhia um do outro… Homens, mesmo amigos de toda a vida, não se sentarão tão perto um do outro num sofá como as mulheres fazem; eles não olharão nos olhos um do outro com tanta firmeza e carinho. As ramificações desse medo fóbico se estendem até aos relacionamentos entre pais e filhos. Milhões de pais acham que não seria adequado beijar ou abraçar carinhosamente seus filhos.

     Assim, Weinberg defende que a homofobia seja chamada de “doença”, dado o empobrecimento da vida emocional, resultado inevitável de tal medo, e a patologia social que é sua derivada, no caso, as inúmeras formas de violência social e econômica infligidas a pessoas gays.

     Quanto às causas da homofobia, Weinberg aborda pelo menos cinco. O primeiro, o motivo religioso, encontra apoio na proibição judaico-cristã contra o comportamento sexual com o mesmo sexo, uma reprovação baseada em um entendimento particular da sexualidade, que por sua vez é derivada de uma tradição específica de interpretação bíblica. Para equilibrar essa imagem de intolerância religiosa, Weinberg reconhece a existência de outras maneiras não homofóbicas de interpretar a Bíblia com relação ao comportamento sexual, especificamente a teologia do reverendo Troy Perry da Metropolitan Comunity Church (Igreja da Comunidade Metropolitana), que é gay-afirmativa.

     Uma segunda causa mais psicológica de homofobia que Weinberg apresenta é o "medo secreto de ser homossexual”, ou seja, a homofobia como uma formação reativa contra sentimentos e desejos homossexuais inconscientes ou subconscientes. Essa teoria é obviamente derivada diretamente do pensamento psicanalítico a respeito das fobias em geral e da homossexualidade em particular.

     Terceiro, Weinberg menciona a “inveja reprimida”, a percepção de que os homens homossexuais e, em menor medida, as mulheres homossexuais, desfrutam de um estilo de vida mais livre, fácil e menos pesado do que os heterossexuais sobrecarregados com casamento e filhos. Essa inveja dos homossexuais, como toda inveja, leva ao ódio e ao desejo de inutilizar as vantagens que os invejados possuem.

     Uma quarta causa das respostas homofóbicas, claramente relacionada a motivos religiosos e à inveja dos homossexuais, é a ameaça aos valores que a homossexualidade representa. Sobre isso, Weinberg escreve: “Quem não adota o sistema de valores usual de uma sociedade corre o risco de ser visto como um enfraquecedor da sociedade. Porque a pessoa não compartilha dos interesses e objetivos da maioria, suspeita-se dela. Isso permanece assim mesmo que a pessoa produza tanto quanto os outros e trabalhe tão arduamente ao longo da vida.” Enquadrando a homofobia e suas raízes dessa maneira, Weinberg lança um holofote sobre a irracionalidade fundamental da homofobia, baseada em um conjunto de valores e convenções culturais, ao invés de proclamar quaisquer verdades ontológicas concernentes à natureza da sexualidade.

     Finalmente, a quinta e talvez mais curiosa causa para a homofobia que Weinberg aborda é a ameaça representada pelo fato de que os homossexuais são vistos como vivendo uma “existência sem imortalidade indireta”. Essa percepção, Weinberg sugere, provoca no inconsciente uma identificação da homossexualidade com a morte não redimida pela continuação da vida representada pela prole de alguém e constitui uma grave ameaça ao ego, que não pode tolerar a ideia de completa extinção pessoal.

[…]

AS RAÍZES PSICOLÓGICAS DA HOMOFOBIA

     Como Weinberg e uma profusão de freudianos deixaram claro, no nível do que os junguianos chamariam de inconsciente pessoal, a homofobia mais frequentemente representa uma defesa contra os impulsos, sentimentos, desejos e imagens homossexuais inconscientes. As pessoas que estão seguras da sua orientação sexual não têm motivos para temer ou odiar a homossexualidade, desde que as diferenças do outro não tem poder de ameaçar aquilo com que se sente à vontade e seguro. Para homens heterossexuais e mulheres sem conflitos sobre sua sexualidade, a homossexualidade de alguém seria motivo de indiferença, enquanto homens e mulheres que aceitaram sua própria orientação homossexual ou bissexual já trabalharam com medos ou sentimentos negativos que já tiveram. Esse ponto me é familiar e apresentado repetidamente em meu trabalho clínico, quando imagens homossexuais nos sonhos são discutidas em uma sessão terapêutica: para heterossexuais em conflito com sua sexualidade, essas imagens são quase sempre experimentadas como uma invasão assustadora e indesejada. Às vezes, essa ameaça é projetada em mim dentro do relacionamento terapêutico: por exemplo, esses pacientes geralmente expressam o medo de que, com base nesses sonhos, eu lhes diga que eles são “realmente” gays. Às vezes, a própria imaginação onírica dá a esses pacientes boas razões para serem ameaçados, pois aqueles que suprimiram ansiosamente todos os sentimentos homossexuais, a fim de se agarrarem defensivamente a uma persona heterossexual, geralmente são expostos a uma reação compensatória violenta em seus sonhos: estupros homossexuais, escravidão e domínio nas mãos de torturadores, figuras do mesmo sexo exigindo submissão sexual e psicológica.

     Com essas imagens, chegamos ao reino da sombra. Como outras fobias, a homofobia é sem dúvida uma dinâmica sombria, uma vez que o medo e o ódio da homossexualidade são derivados diretamente de valores culturais que insistem em que só o casamento heterossexual é normativo e bom, e tudo o mais é aberrante e ruim. Então, num nível pessoal e cultural, a homossexualidade é lançada no inconsciente e transformada em sombra, dada a estrutura interna estritamente heterossexista que vivemos. Essa qualidade sombria é óbvia nos vários estereótipos negativos das relações homossexuais, muitos dos quais foram provados inverídicos em pesquisas subsequentes2, mas que persistem na consciência pessoal e cultural, porque preserva a normalidade da persona heterossexual: os homossexuais são incapazes de um relacionamento comprometido a longo prazo (a taxa de divórcio heterossexual é convenientemente ignorada). Os homossexuais são promíscuos e obcecados pelo sexo (a infidelidade heterossexual e comercialização da heterossexualidade para vender de tudo, de pasta de dente a automóvel, mais uma vez convenientemente ignorados).  Homens homossexuais são efeminados e querem ser mulheres (o fato de que a maioria das travestis são heterossexuais, é novamente ignorado). O valor rígido dado à heterossexualidade, especialmente a heterossexualidade procriadora, na cultura ocidental, praticamente determina que a homossexualidade como fenômeno e os indivíduos homossexuais serão os portadores de todos os aspectos sombrios da sexualidade que não se encaixam nesse esquema heterossexista.

     O próprio termo homofobia, no entanto, nos dá uma pista para uma compreensão ainda mais profunda. A rigor, seria de esperar que o termo empregado fosse "homosexofobia", e, no entanto, esse “ato falho” conceitual, por assim dizer, é revelador. O significado literal de homofobia, “medo da semelhança”, mostra como as raízes de tal medo e ódio estão no centro do próprio patriarcado.  Como um sistema psicologicamente unilateral, o patriarcado, com suas definições de gênero e validação concomitante de tudo o que é “masculino” e a difamação de tudo que é “feminino”, tem premiado os homens com grande quantidade de poder social, econômico e político. No entanto, o que nem sempre é visto é como esse sistema requer, em um nível psicológico, uma forma consistente de alienação de mulheres e homens.

     A falta de dinâmica é clara quando vista em relação aos papéis das mulheres no patriarcado.  Se o amor das mulheres por mulheres fosse aceito e validado, esse amor levaria a uma revisão radical dos valores sociais pessoais, que atualmente se baseiam na alienação das mulheres de si mesmas, de seus corpos e de suas almas. Para homens, que são comprados com privilégios sociais e econômicos para continuar com um estilo de vida unilateral, a autoalienação é mais sutil.  Certamente, se os homens fossem amar outros homens livre e abertamente, grande parte da vantagem competitiva que mantém vivo o sistema patriarcal se tornaria irrelevante; os incentivos sociais que alimentam a visão dos homens de outros homens rivais em potencial seriam suplantados por outros conjuntos de experiências e de incentivos, talvez mais poderosos do que dinheiro ou poder: a saber, amor, intimidade e aceitação proveniente de outros homens. 


     No entanto, mais ameaçador é o modo como a homossexualidade põe em questão a definição patriarcal unilateral de masculinidade que sustenta todo o sistema em primeiro lugar. Encorajando os homens a se identificarem com uma masculinidade fálica, com a exclusão de todos os outros aspectos da experiência masculina, o sistema patriarcal acaba alienando os homens da plenitude da experiência masculina. Portanto, a homofobia, consequência natural do patriarcado, é precisamente o que ela literalmente denota: um medo e ódio de si mesmo. Para as mulheres, o status inferior delas dentro do patriarcado instila o ódio quase desde o nascimento, de modo que o processo de “saída do armário” da lésbica acaba sendo em grande parte uma recuperação de si mesma. Por outro lado, para homens gays, a equação patriarcal de masculinidade exclusivamente fálica deve ser abandonada, e a definição de gênero expandida para incluir aspectos do self masculino que foram denegridos ou temidos: por exemplo, todos os valores representados simbolicamente pelos falos flácidos, como receptividade, flexibilidade e interioridade, ou qualidades inerentes à imagem do Pai Terra, como fundamento, afeto e educação.

     Assim, a homofobia, tantas vezes aparecendo como um medo do mesmo sexo, é uma dinamite psicológica perniciosa, não apenas homens e lésbicas, mas para homens e mulheres heterossexuais, porque por trás do medo do mesmo sexo, se encontra um devastador medo de si mesmo. A manifestação clínica da homofobia em heterossexuais não precisa ser simplesmente um ódio de gays, mas pode ser de todos os tipos de fenômenos – o medo de sentir prazer no próprio corpo, falta de intimidade com outros homens e mulheres, e uma concomitante falta de validação e comunidade;  ou, como exemplo mais extremo, um senso quase paranoico de competição e perseguição pelas mesmas pessoas que se espera que se espelhem a si mesmas e suas almas, aquelas que são como nós, outros homens, outras mulheres.

A figura do hermafrodita na alquimia
A figura do hermafrodita na alquimia.
     A homofobia é de fato um medo de si mesmo, então é quase certamente também um medo do Si-mesmo, particularmente o Si-mesmo em sua ambivalência. Gays e lésbicas, vivendo em desacordo com a sexualidade unilateral e invariável, proposta como normal, enfrentam essa cultura com a verdadeira amplitude e variedade da experiência humana, enfrentam-na com uma totalidade que em última análise deriva do Si-mesmo. Aqui, a falta de teorização junguiana sobre a homossexualidade posterior a Jung torna-se especialmente decepcionante, pois o próprio Jung sugeriu que a homossexualidade é um “desligamento incompleto do arquétipo hermafrodita, unido a uma resistência expressa a identificar-se com o papel de um ser sexual unilateral”.  “Uma tal disposição”, continua Jung, “não deve ser julgada sempre como negativa, posto que conserva o arquétipo do Homem Original que, de certa maneira, se perde no ser sexualmente unilateral”. 3 Como o andrógino, o homossexual pode ser percebido por meio das lentes do medo e do ódio, visto como monstruoso, uma aberração da natureza, o Outro radical, e, no entanto, o trabalho de Jung exige que seja adotada uma atitude diferente. Se a homossexualidade é um lugar onde, em uma cultura patriarcal unilateral, os valores de uma androginia vivem e prosperam, então a homossexualidade é um dos poucos lugares onde o Si-mesmo se manifesta e onde toda a essência de quem somos como homens e mulheres pode ser plenamente realizada.

     A pesquisa antropológica sobre homossexualidade em outras culturas continua a nos apresentar esse elo aparentemente arquetípico entre homossexualidade e o Si-mesmo andrógino. Os homossexuais são o “terceiro sexo” nas culturas nativas, são os “homens e mulheres” que desempenham as funções xamanísticas e rituais para tantas tribos, papéis que interpõem-se entre o céu e a terra, o outro mundo e este.4 Assim, é preciso pensar se o poder sagrado que esses indivíduos incorporam para a tribo, o tabu que eles guardam e representam, não informa em nível profundo e arqueiro a homofobia que tantos heterossexuais sentem em nossa cultura, fora de si, por inveja ou mesmo terror da sacralidade inveja ou mesmo terror da sacralidade do amor sexual.

REFERÊNCIAS

1. “A sociedade e o Homossexual Saudável”

2. David P. McWhirter and Andrew Mattinson, The male couple: how relationships develop (Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall, 1984).

3. Tradução que mescla C. G. Jung, The Collected Works of C. G. Jung, vol. 9/1 (Princeton: Princeton University Press, 1968), p. 71, com a versão portuguesa das Obras Completas, vol. IX/1, §146.

4. Para este fenômeno na cultura americana nativa, ver Will Roscoe, The Zuni Man-Woman (Albuquerque: University of New Mexico Press, 1991); Walter Williams, The Spirit and the Flesh: Sexual Diversity in American Indian Culture (Boston: Beacon Press, 1986); e Jonathan Katz, Gay American History: Lesbians and Gay Men in American History (Nova York: Thomas Y. Crowell, 1976); para exemplos de outras culturas, ver Mircea Eliade, Shamanism: Archaic Techniques of Ecstasy (Princeton: Princeton University Press, 1964).

 (Leia mais a respeito: "As bases psicológicas da atração sexual", "Extinção ou renovação de valores?", "Malévola - a amargura do feminino", "Dorian Gray e a sombra na atualidade", "A importância do rito de passagem na adolescência", "A bela adormecida - iniciação ao feminino")

Palestra de Introdução ao Curso de Análise de Sonhos - Terapia e Autoconhecimento

 Esta é uma palestra gratuita de Introdução ao Curso de Análise de Sonhos. A primeira turma desse curso iniciará dia 5 de outubro de 2020. Visite a página do curso para maiores informações:

Curso de Sonhos - Terapia e Autoconhecimento

Momento muito rico, com muitas perguntas e trocas. Assuntos abordados:

- Por que os sonhos são importantes?

- Os sonhos e o inconsciente

- A realidade da psique

- A função do sonho 

- Referências